ESTAMOS TRABALHANDO NO CONTEÚDO DESTA PÁGINA.

PROBLEM BASED LEARNING

          A Aprendizagem Baseada em Problemas (do inglês “Problem Based Learning”) é uma metodologia ativa, que tem como foco o aluno e não o professor. Implementado em 2006 na Faculdade, o método é utilizado por grandes universidades, como Harvard e Maastricht.

           Ao contrário do ensino tradicional, que promove um aprendizado passivo, fundamentado em aulas teóricas e no ato de decorar, a metodologia ativa estimula o raciocínio e valoriza atividades práticas.

           Por meio do conceito construtivista, o aluno parte de seu conhecimento prévio e o integra a novas informações para desenvolver o aprendizado. Este processo ocorre em contextos relevantes, sejam eles situações reais (laboratórios, hospitais etc.) ou discussões em grupo, como nas tutorias. A divisão em pequenos grupos orientados por tutores ou professores promove um aprendizado de qualidade, considerando que o grupo compartilha a responsabilidade de que todos os integrantes aprendam o conteúdo. Neste sistema, o estudante é o principal responsável por monitorar, avaliar e planejar seu próprio aprendizado e, portanto, autodisciplina é fundamental.

         Desde o primeiro semestre, o aluno atua em hospitais e Unidades Básicas de Saúde, desenvolvendo habilidades técnicas e a capacidade de se comunicar com o paciente. Além disso, outro grande diferencial é o fato do internato, estágio curricular obrigatório, compreender três dos seis anos da graduação, um ano a mais que na maioria das instituições.

         As atividades didáticas priorizam a busca de soluções para problemas reais que abordem diferentes áreas do conhecimento. Para isso, o curso não se organiza em disciplinas, mas sim em módulos multidisciplinares. Os assuntos são abordados diversas vezes ao longo da graduação em um sistema espiral de conhecimento, que concomitantemente expande e aprofunda os conteúdos.

       Nos anos que antecedem o internato, o curso constitui-se de 9 atividades que, de acordo com as necessidades didáticas do módulo e ano, podem variar em sua distribuição e frequência. São elas: tutoria, sustentação aplicada, sustentação teórica, habilidades, prática em atenção à saúde, reflexão sobre a prática médica, estudos orientados, estudo autodirgido e área do aluno.

        O processo de avaliação se dá em duas esferas: formativa e somativa. A primeira, de caráter mais subjetivo, é utilizada para monitorar constantemente características do aluno que influenciem seu processo de aprendizagem e é realizada pelo tutor, por colegas do grupo e pelo próprio aluno. Já a segunda determina o grau de conhecimento sobre alguma área e é utilizada para verificar se o estudante está apto para progredir ao longo do curso. As avaliações somativas baseiam-se em conceitos: I (insuficiente), S (suficiente) e E (exemplar).

           Por meio da Aprendizagem Baseada em Problemas, espera-se que o aluno desenvolva a capacidade de direcionar seus próprios estudos, de lidar com outras pessoas e de solucionar problemas. Dessa forma, estará preparado para o exercício da Medicina.

PROJETO PEDAGÓGICO

.

Mapa elaborado pela Gestão 2018-2019.

MATRIZ HORÁRIA

.

Documento elaborado pela Gestão 2020-2021.